0800 777 2050
(34)99895-5192
(34)99982-0644
(34)98400-8040
(34)99214-8470
(34)99870-1035(EMERGÊNCIA)
Ok
Notícias

Quer ganhar 1 curso de teologia grátis?
Então me chame no Whatsapp

Igrejas na França têm sido alvo constante de vandalismo, denunciam cristãos

As igrejas espalhadas pela França têm sido alvo de ataques constantes há alguns anos. As ações de vandalismo envolvem as mais diversas formas de desrespeito: às vezes é uma cruz de excremento humano espalhada em uma parede da igreja. Outras vezes, uma estátua da virgem Maria é estilhaçada e jogada no chão. Em outros casos mais graves, um templo é incendiado.

As igrejas católicas romanas no país estão cada vez mais sob ataque. A França é um país que antigamente era identificado com o cristianismo de forma tão enraizada que costumava ser chamado de “a filha mais velha da igreja”.

Um incêndio recente em St. Sulpice, a segunda maior igreja em Paris, trouxe atenção sobre uma tendência que se tornou comum em muitas cidades menores. “Quem ouviu falar do saque do mosteiro de Saint Jean des Balmes em Aveyron? Dos adolescentes que urinaram na fonte de água benta da igreja em Villeneuve de Berg, em Ardèche?”, perguntou a revista parisiense Le Figaro na semana passada em um artigo que destacava algumas das profanações menos conhecidas em todo o país neste mês.

Incidentes como estes recebem uma breve menções na imprensa, com citações de católicos chocados com o cenário de vandalismo, como nos casos das estátuas decapitadas, e às vezes pequenas reportagens das emissoras de TV do país.

Mas além das denúncias oficiais de ataques individuais, os líderes católicos na França se abstêm de dramatizar o que dizem ser uma tendência preocupante em um país cada vez mais marcado pelo avanço do secularismo e da religião islâmica. As reações mais fortes vieram de políticos conservadores, incluindo dois membros da Assembléia Nacional que pediram uma investigação parlamentar sobre “a multiplicação de atos anticristãos”.

“As imagens do incêndio na igreja Saint Sulpice neste fim de semana são mais um exemplo da violência cometida contra os católicos”, disseram Philippe Gosselin e Annie Genevard, referindo-se ao incêndio em um edifício conhecido pelos cinéfilos de todo o mundo por ter servido de cenário para o filme O Código Da Vinci, inspirado no livro homônimo de Dan Brown.

Entre os ataques às igrejas em fevereiro, uma cruz de excrementos humanos foi encontrada na cidade de Nimes, uma estátua de Maria foi destruída em um subúrbio de Paris e uma estátua de Jesus decapitada no balneário atlântico de Saint Gilles, chamado Croix de Vie (Cruz da Vida).

Os ataques às igrejas católicas e as discretas reações a eles refletem o complexo papel que a fé dominante da França desempenha em uma sociedade que mudou tanto que a ignorância sobre a religião – não apenas o cristianismo, mas também das outras – é generalizada. “Nós adotamos uma atitude razoável. Nós não queremos desenvolver um discurso de perseguição. Nós não queremos reclamar”, disse o arcebispo Georges Pontier, chefe da conferência dos bispos franceses, quando questionado sobre os ataques às igrejas.

“Nós não somos vítimas de uma ‘catofobia'”, disse ele à revista Le Point. “Em sua história, o judaísmo travou uma luta contínua contra grupos anti-semitas. Nós, católicos na França, não precisamos enfrentar essa violência todos os dias!”, acrescentou, mostrando a rejeição dos cristãos franceses em exercer um papel de vitimismo.

Os ataques a outros locais religiosos, especialmente propriedades judaicas e muçulmanas, também aumentaram, mas são muito menores do que os das igrejas católicas por serem templos ligados a duas minorias religiosas. Os protestantes, que representam apenas 2% da população, viram poucos ataques contra suas igrejas, possivelmente porque não exibem símbolos como acontece no catolicismo.

 

Está gostando desse conteúdo?

Cadastre seu email no campo abaixo para ser o primeiro a receber novas atualizações do site.

Fique atualizado! Cadastre para receber livros, CDs e revistas promocionais.

Outros fatores também influenciam a reação da Igreja Católica, que não quer começar uma campanha que possa encorajar seus críticos, dizem os padres. Com o escândalo dos abusos sexuais clericais regularmente nas manchetes, eles acrescentam que os bispos também estão em uma posição fraca para apelar por simpatia.

Além disso, há aparentemente vários motivos diferentes por trás desses ataques, o que sugere que a Igreja Católica na França não estaria no centro de uma campanha de perseguição. Alguns dos casos de vandalismo são brincadeiras de jovens tentados a desfigurar uma igreja local usada principalmente por pessoas mais velhas em sua cidade. Com a participação na missa dominical de cerca de 5% de todos os católicos, muitas igrejas ao redor do país fazem pouco mais do que marcar o centro da cidade.

Os templos estão sendo fechados ou reagrupados em paróquias maiores, o que significa que eles estão frequentemente trancados ou vazios durante a maior parte da semana, tornando-se assim um alvo convidativo para vândalos.

“Parte da população não foi socializada como cristã e não percebe o que esses ataques ao sagrado podem significar”, avaliou o sociólogo Philippe Portier.

A polícia de Paris insinuou que o incêndio de 17 de março em St. Sulpice, que danificou uma porta e uma janela e espalhou fuligem em bancos e obras de arte dentro da igreja, pode ter sido causado por moradores de rua queimando roupas velhas. “Este não foi ataque antirreligioso”, disse o reverendo Jean-Loup Lacroix, pastor de St. Sulpice, de acordo com informações do portal Religion News.

Os ladrões compõem um segundo grupo de ataques às igrejas, que costumam ter peças decorativas banhadas a ouro, pinturas antigas e estátuas elegantes que, embora não sejam obras-primas, valem somas atraentes no mercado negro. Os ladrões costumam invadir uma igreja e pegar o que querem, sem tocar em nada.

O governo tem um programa para ajudar as igrejas a financiar melhores sistemas de vigilância, mas muitas vezes não é suficiente, ou os padres acham que as comportas regulares são suficientes para proteger seus edifícios.

A julgar pelos danos que eles causam, o terceiro grupo parece ser hostil à religião, mas é difícil classificá-los porque eles não se responsabilizam por seus ataques. São vândalos que derrubam cruzes, jogam hóstias consagradas pelo chão e destroem estátuas para chocar os católicos que consideram esses objetos sinais da própria fé.

De acordo com a doutrina católica, as hostes de pão sem fermento tornam-se literalmente o corpo do próprio Jesus na Missa. Hóstias consagradas mas não utilizadas são guardadas para uso futuro; assim, invadir o tabernáculo jogá-las no chão está entre os mais altos sacrilégios para a tradição católica.

“Quando alguém pisa em uma hóstia, é como se toda a igreja estivesse sendo pisoteada”, disse o historiador católico François Huguenin.

Miviludes, uma agência do governo criada em 2002 para monitorar grupos sectários julgados como ameaças à segurança pública, alertou há mais de uma década contra satanistas que atacam cemitérios e promovem “atos de bárbaros”.

Embora o número de satanistas na França seja pequeno, as ideias que eles representam – hostilidade à religião, rejeição de instituições e uma glorificação da força sobre a fraqueza percebida dos cristãos – lançam-se em pontos de vista mais amplos na sociedade francesa.
“Há novos movimentos religiosos que consideram que a imposição da crença em Deus nos emasculou e eles devem destruir seus símbolos”, observou Portier.

Fonte: https://noticias.gospelmais.com.br/igrejas-franca-alvo-constante-vandalismo-110501.html


Qual sua opinião sobre esta noticia?
Deixe seu Comentário abaixo:
(*)Campos obrigatórios, e-mail e telefone não serão publicados)
Notícias de Líderes
Pastor Julio Ribeiro
Bispa Cléo Ribeiro Rossafa
Pastor Benny Hinn
Pastora Bianca Toledo
Missionário David Miranda
Pastor Elson de Assis
Pastor Hidekazu Takayama
Apóstolo Valdemiro Santiago
Pastor Aluizio Silva
Apóstolo Renê Terra Nova
Bispo Rodovalho
Apóstolo Estevam Hernandes
Pastor Samuel Camara
Pastor Paulo Marcelo
Pastor Samuel Ferreira
Pastor Carvalho Junior
Pastor José Wellington Bezerra da Costa
Pastora Sarah Sheeva
Pastor Marco Feliciano
Pastor Jorge Linhares
Pastor Geziel Gomes
Pastora Helena Tannure
Pastor Claudio Duarte
Pastor Abílio Santana
Pastor Gilvan Rodrigues
Pastor Reuel Bernardino
Apóstolo César Augusto
Apóstolo Agenor Duque
Pastor Gilmar Santos
Pastor Josué Gonçalves
Pastor Billy Graham
Pastor Adão Santos
Pastor Silas Malafaia
Missionário RR Soares
Bispa Ingrid Duque
Pastor Yossef Akiva
Pastora Joyce Meyer
Bispa Lucia Rodovalho
Pastor Adeildo Costa
Pastor Márcio Valadão
Pastor Reuel Pereira Feitosa
Bispa Sonia Hernandes
Pastor Samuel Mariano
Pastor Cesino Bernardino
Pastor Lucinho
Pastor Oseias Gomes

O Seminário Gospel oferece cursos livres de confissão religiosa cristã que são totalmente à distância, você estuda em casa, são livres de heresias e doutrinas antibiblicas, sem vinculo com o MEC, são monitorados por Igrejas, Pastores e Teólogos de Grandes Ministérios totalmente baseado na Santa Palavra de Deus, ao final você recebe DOCUMENTAÇÃO INTERNACIONAL valida no âmbito religioso.

Notícias de Cantores
Cantora Mara Lima
Cantora Alda Célia
Cantora Ana Paula Valadão
Cantora Cristina Mel
Voz da Verdade
Cantor Davi Sacer
Cantor Fernandinho
Cantora Lauriete
Cantor Marquinhos Gomes
Cantor Mattos Nascimento
Cantora Lea Mendonça
Ministério Renascer Praise
Cantora Eyshila
Cantor Irmão Lázaro
Cantora Aline Barros
Ministério Diante do Trono
Cantora Shirley Carvalhaes
Cantora Bruna Karla
Cantora Cassiane
Cantor André Valadão
Cantor Regis Danese
Cantora Elaine de Jesus
Cantora Rose Nascimento
Cantora Nivea Soares
Cantora Ludmila Ferber
Cantora Fernanda Brum
Banda Oficina G3
Cantora Andrea Fontes
Cantora Karen Martins
Cantor Kleber Lucas
Cantora Damares